Situação crítica: Reservatórios do Rio Grande do Norte estão em seu menor nível, aponta relatório

barragem_26O Relatório da Situação Volumétrica dos 47 reservatórios com capacidade superior a cinco milhões de metros cúbicos, monitorados pelo Governo do Estado do Rio Grande do Norte, por meio do Instituto de Gestão das Águas (Igarn), divulgado nesta quarta-feira, 3, indica que as reservas hídricas continuam reduzindo e estão no seu menor nível, de acordo com o monitoramento realizado nos últimos seis anos, com apenas 11,24% da capacidade total de armazenamento no estado.

Maior reservatório do Estado, com capacidade para 2,4 bilhões de metros cúbicos, a Barragem Armando Ribeiro Gonçalves está em volume morto, com 281,814 milhões de metros cúbicos, o que corresponde a 11,74% do total de água que o manancial pode armazenar.  A barragem Santa Cruz do Apodi está com 87,361 milhões de m³, o que corresponde a 14,57% do seu volume total, que é de 599,712 milhões de m³. Já Umari, em Upanema, está com 41,276 milhões de m³, em porcentagem, 14,10% da sua capacidade de armazenamento.

Dos 47 reservatórios monitorados pelo Igarn, 16 estão secos, em porcentagem, 34,04%. Outros 19 estão em volume morto, ou seja, outros 40,42%. A bacia Apodi/Mossoró está com 12,30% do seu volume total de armazenamento. Já a bacia Piranhas/Assu está com 11,68% do seu volume total.

Para que os reservatórios de maior porte (com capacidade superior a 5 milhões de metros cúbicos) armazenem água no próximo período de chuvas, o total precipitado deverá ser superior à média, de modo que os pequenos mananciais se encham, possibilitando as águas da bacia chegarem aos grandes açudes.

O diretor-presidente do Igarn, Josivan Cardoso, explica que, apesar da situação atual, o Governo do Estado está fazendo o possível para manter as reservas hídricas ainda existentes e o abastecimento das cidades potiguares. “É importante destacar que diante desta seca dos últimos 6 anos, a situação poderia está pior. Ações de monitoramento, controle e fiscalização implantadas pelo Governo do Estado, através do Igarn, proporcionam ainda manter os sistemas em operação, mesmo que dentro de racionamentos e rodízios, ou até mesmo em restrições de usos para áreas produtivas”, explica Josivan Cardoso.

Mesmo com as recentes previsões de boas chuvas para a próxima quadra chuvosa, é de suma importância que a população potiguar faça o consumo sustentável da água, tanto para garantir a continuidade do abastecimento das cidades que ainda não estão em colapso, quanto para ajudar na recarga dos reservatórios quando as chuvas tiverem início.

A disponibilidade hídrica total do Rio Grande do Norte é de 4.411.787.259 metros cúbicos, em 2010 o Estado estava com 73,30% de sua capacidade hídrica, em 2011, devido ao bom período chuvoso o índice chegou a 89,52%. Nos anos posteriores, devido à estiagem os percentuais baixaram, em 2012 para 60,80%; 2013 para 42,39%; 2014 chegando a 37,39%; 2015 com 23,79%; em 2016 com chegando a 12,75%, chegando a 2017 com os atuais 11,24%, portanto o nível menor nível de reservas.

Portal Agora RN;

%d blogueiros gostam disto: