Fátima Bezerra assume Governo dizendo que herda “legado dramático”

Em seu discurso de posse – marcado por momentos de emoção quando lembrou da infância na zona rural e a trajetória da Paraíba para o Rio Grande do Norte – a governadora Fátima Bezerra (PT) afirmou que o desafio que assumiu nesta terça-feira, 1°, “é gigantesco”, mas que é do tamanho de sua disposição para o trabalho.

Reiterando que irá governar para todos, “sem nunca vender ilusões ao povo”, a governadora eleita disse que a grave crise fiscal e financeira do RN, que ela qualificou como “legado dramático”, começa a ser debatida nesta quarta-feira, 2, na primeira reunião com os poderes Legislativo e Judiciário.

“Uma das faces mais cruéis dessa herança se expressa no completo desrespeito com os servidores públicos”, afirmou, ao lembrar que herda do governo de Robinson Faria (PSD) “uma dívida de R$ 2,6 bilhões, três folhas de pagamento do funcionalismo público atrasadas e dívidas com fornecedores”.

A governadora adiantou que seu foco, “antes de mais nada, será organizar as contas para colocar em dia o pagamento dos servidores” e isto “exigirá de nós muito esforço fiscal, tanto para conter o crescimento das despesas obrigatórias como para ampliar a arrecadação”.

Ao lembrar sua condição de única mulher eleita ao governo de um estado nas últimas eleições, Fátima evocou a memória de outras personalidades femininas potiguares, como Maria do Céu Fernandes, Alzira Soriano, Clara Camarão, Nísia Floresta, Alta de Souza, Celina Guimarães e Dona Militana.

“De todas as mulheres potiguares e brasileiras que me inspiram cotidianamente a seguir a luta. Vocês tomam posse hoje comigo”, afirmou.

Sem citar uma única vez o nome do ex-presidente Lula e dizendo que governará para todos os potiguares, inclusive para quem não votou nela, Fátima reconheceu que sua eleição é a “tarefa mais desafiadora” de sua vida política.

Com vestido claro, com mangas de renda, Fátima lembrou o desemprego e a insegurança de milhares de potiguares e agradeceu a esperança depositada nela nas urnas por mais de 1 milhão de pessoas. Nessa linha, ela afirmou:

“Em um momento tão difícil da história do nosso Estado e do nosso País, onde o desemprego, a escassez de serviços públicos de qualidade, o desrespeito aos trabalhadores e a insegurança afetam grandemente as famílias, me foi confiada a honrosa tarefa de governar o Rio Grande do Norte. De colocá-lo nos trilhos do desenvolvimento, da justiça e da inclusão social”.

Como não poderia deixar de ser, a governadora lembrou o tamanho da crise fiscal que ela assume em forma de uma dívida de R$ 2,6 bilhões; três folhas de pagamento do funcionalismo público atrasadas e dívidas com fornecedores que fornecem para áreas essenciais do governo.

Nesse momento, Fátima se comprometeu a regularizar o pagamento dos servidores públicos; aprimorar a política de segurança pública e valorizar os seus profissionais; garantir segurança hídrica para todas as regiões do estado; qualificar os serviços públicos, em especial nas áreas de educação, saúde e assistência social; retomar a capacidade de investimento do estado.

Embora negando que fará um governo “olhando para o retrovisor”, a governadora admitiu que “não será fácil, já sabíamos”.

Nesse momento, embargada pela emoção, Fátima falou da infância e a adolescência na zona rural. “Como a maioria do povo potiguar, eu não nasci em berço de ouro, sempre lidei com as dificuldades. Com a fome, a pobreza, a falta d’água, a dificuldade para estudar. Sei o significado da luta e da construção de oportunidades”, lembrou a governadora com lágrimas nos olhos.

Já no final de seu pronunciamento de posse, a nova governadora lembrou o educador de esquerda Paulo Freire para conjugar o verbo “esperançar”. E justificou: “Não a esperança que espera, mas a que se levanta, que vai atrás, que constrói, que não desiste. Esperançar é juntar-se com outros para fazer de outro modo”.

E concluiu:

“Esse é o pacto que quero fazer com vocês. Vamos sonhar e organizar o sonho. Vamos governar para todos e para os que mais precisam. Vamos ter esperança e coragem. Paciência e perseverança. Serenidade para lidar com os desafios, sabedoria para governar e união para juntos trilharmos um outro caminho. Vamos juntos!”

De acordo com a Polícia Militar, cerca de 2 mil pessoas acompanham a cerimônia de posse da petista.

Portal Agora RN;

%d blogueiros gostam disto: