Como a matemática explica a difícil situação de Carlos Eduardo Alves nesta eleição; ex-prefeito precisa de 18 mil votos por dia para vencer

Resultado de imagem para matemática dificilA 11 dias da eleição, o cenário que se apresenta, segundo o instituto Seta, é de vitória para a senadora Fátima Bezerra para o governo do RN.

Dentro deste quadro, as possibilidades do ex-prefeito de Natal, Carlos Eduardo Alves, virar o jogo são cada vez mais difíceis.

A diferença entre os dois candidatos no primeiro turno foi de pouco mais de 222 mil votos, quando Fátima teve 46,17% dos votos válidos e Carlos Eduardo teve 32,45%.

O total de votos válidos foi de 1.620.544, ou 82,41% de todo o eleitorado.

Mantida a tendência, Fátima, que tem 56% dos votos válidos em segundo turno, deve alcançar pouco mais de 907 mil votos, e Carlos Eduardo vai se projetando para ter 713 mil votos, diferença de 194 mil votos.

Pela projeção, o candidato do PDT precisaria de mais de 17,6 mil votos por dia para chegar no dia 28 com vantagem sobre Fátima Bezerra.

Essa tendência de crescimento, no entanto, não tem se mostrado.

Com 18% do eleitorado no primeiro turno optando por votos brancos, nulos e ninguém, o que significou quase 350 mil votos – muito acima dos 222 mil de diferença entre os dois candidatos – e com os eleitores dizendo que majoritariamente não pretendem mudar a sua escolha no segundo turno (73% dizem que seus candidatos não mudam; 12% admitem mudar), tende a se consolidar o cenário de vitória de Fátima Bezerra.

Lembrando que, no segundo turno, a variação de voto contra um significa necessariamente o crescimento do outro.

Ou seja, se Fátima cai, necessariamente Carlos Eduardo Alves sobe nos votos válidos.

Daí a importância de se considerar a estratégia de Carlos Eduardo de se filiar ao movimento que Bolsonaro representa neste momento.

Blog do BG;

%d blogueiros gostam disto: